Aldeias de xisto e Serra da Lousã

Surpreendentemente bonito e repousante! Aldeias com muito poucos habitantes permanentes, contam-se pelos dedos de uma mão, mas com casas muito bem recuperadas e estimadas, bons percursos pedestre e bem assinalados, belas paisagens, cascatas, azenhas abandonadas e a natureza em todo o seu esplendor .
Cimo de um monte, num sítio recôndito e pitoresco, com vista para um belo vale, onde corre um curso de água, são os locais típicos das aldeias de xisto da serra da Lousã.
Poucos, ou nenhum, são os carros nas estradas que dão acesso à maioria das aldeias, cheias de curvas, mas com bom piso, onde 10 km podem demorar meia hora, ou mais, a percorrer, com a janela aberta é possível ouvir os barulhos dos passarinhos, o restolhar proveniente da “floresta” envolvente, o murmurinho dos regatos de água e as eólicas no cimo da serra. As aldeias são pequenas e encantadoras, o silêncio, a paz e o sossego imperam. Ao percorrer as ruas das aldeias somos invadidos por um sentimento de nostalgia, que faz lembrar “O que foi não volta a ser” dos Xutos, e nos leva a imaginar como seriam diferente há 70/80 anos atrás. Os habitantes permanentes, que em tempos eram mais de meia centena, são agora, regra geral, 1 ou 2, normalmente pastores e/ou reformados, as restantes habitações sã o de Turismo Rural ou residência de férias.

Pernoitámos numa aldeia de xisto, numa casa típica, onde nos esperava a lareira acesa ao final do dia, a simpatia e o bom gosto, sem rede de telemóvel, sem acesso à internet, numa aldeia com apenas 4 residentes e onde um dia ao anoitecer fomos recebidos por uma amistosa raposa, amiga dos residentes.

Os pequenos percorreram e exploraram sozinhos as ruas da aldeia e os seus gritos ecoaram por montes e vales, perturbando, claramente, o sossego, como é seu hábito. Percorremos  alguns dos trilhos de vários percurso pedestres, com algumas subidas e caminhos “exigentes”, 30 minutos na ida e outros tantos na volta, e a pequenada apreciou e aguentou-se à bronca, terminando sempre com o belo do piquenique.
Andámos pelas aldeias de xisto de Gondramaz, Talasnal, Cerdeira, Candal, Casal de São Simão, Ferraria de São João, Comareira, Aigra Nova, Aigra Velha, Benfeita e Fraga da Pena (Serra do Açor) e Água Formosa (perto de Vila de Rei).

As aldeias de xisto, percursos pedestres, praias fluviais, pontos de interesse, podem ser consultados aqui.
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s