Citação

Meteoropatia

“Viajamos para conhecer as duas realidades mais importantes da nossa vida: o mundo que nos rodeia; e o mundo que trazemos dentro de nós. O primeiro está mapeado e descrito(…) , no segundo caso é a aventura total. (…) Crescemos rodeados de certezas, dogmas, afirmações peremptórias, referências imutáveis. Quando começamos a viajar, tudo isto é posto em causa. Viajar muda a nossa forma de entender quem somos. Muitas vezes deparamos com conceitos que de repente fazem luz sobre algum problema, mania, intolerância, maleita, que nem sabíamos padecer, e afinal em outras partes do mundo são corriqueiras. Por exemplo: meteoropatia (…) refere-se a um conjunto de distúrbio psíquicos e físicos provocados por alterações das condições metereológicas (…)”

Gonçalo Cadilhe, in “Meteoropatia” – artigo publicado na Revista Visão desta semana

Anúncios
Citação

Sonhos

“(…) Foi-se embora pensativa e triste, consciente de que os problemas mais difíceis são aqueles que por sua natureza excluem o sonho. (…)”

in Tim, Colleen McCullough (Um livro muito interessante, recomendo!)

Nota: No mesmo dia em que me deparei, durante a leitura do livro, com a frase citada, por mero acaso encontrei esta curta metragem e achei que encaixava como um luva. Coincidências … e sonhos que comandam a vida já dizia António Gedeão

Citação

Observação de um bom aluno

Durante a realização de um teste de avaliação, um bom aluno exclama “Bolas, professora, colocou aqui questões que são mesmo para ver se nós estudámos!”. Ao fim de 10 anos de sucesso na escola, é isto que lhe ocorre dizer! Não deixa de ser curioso… mais vale tarde que nunca, ainda assim took him long enough!

Citação

Papel do pai versus papel da mãe?!

“Hoje preparas tu as coisas de manhã: roupa , pequeno almoço e saco de ginástica. Boa sorte!

Bom dia. 🙂

Hoje tenho reunião no Porto. Estou no comboio, apanhei o das 06h09. Saí de casa às cinco e meia. Não te quis acordar. Como ontem chegaste a casa tarde e disseste que vinhas cansado e que não era preciso dar-te recados, que tu te desenrascavas bem com as miúdas e não valia a pena eu estar preocupada… não te deixei nada arranjado. Tenho a certeza de que vais dar conta de tudo. Mas antes que entres em parafuso e elas cheguem atrasadas à escola, aqui vai uma cábula. Como costumas consultar o e-mail logo de manhã no telemóvel, mal te levantas, espero que vejas isto entretanto.

DESPERTAR: tens de as acordar antes das sete e meia. Isto significa que não pode ser às 07h31 ou 07h32. Faz diferença. Todos os minutos contam. A menos que queiras chegar muito atrasado ao trabalho. É indiferente qual acordas primeiro. Ela vai choramingar. E depois a outra vai acordar e choramingar também. Tu não sabes porque sou eu que costumo acordá-las e vesti-las, mas é sempre assim. Vão as duas dizer que lhes dói a barriga. Ou os ouvidos. E querem ficar em casa. Não acredites. A menos que tenham febre. Em caso de dúvida, confirma com o termómetro – aquela coisa que se põe debaixo do braço e apita.

ROUPA: não preparei. Sugiro que o faças antes de as acordares, para elas não estarem com frio enquanto procuras as calças e as camisolas interiores. É capaz de não haver roupa passada a ferro. Por favor não as mandes para a escola com roupa amarrotada. Nem com roupa de verão. As gavetas de baixo não são para usar.

Pensei em deixá-las presas com fita-cola porque sei que vais ter essa tentação, mas – sabes, não sabes?? TAMANHO: tens duas filhas. Uma tem 6 anos, a outra 4. A roupa maior é para a mais velha. Em caso de dúvida, olha para as etiquetas. GANCHOS: são elas que escolhem os ganchos que querem usar. Se discutirem (vão discutir) inventa uma coisa qualquer para elas decidirem quem leva qual. Mas têm de ser elas a decidir. Se fores tu, vais ter berreiro. Hoje é dia de GINÁSTICA. Tens de preparar as coisas. Sapatilhas, fita para o cabelo,

T-shirt e sweatshirt. E calças de fato de treino. Não esqueças o tupperware com bolachinhas. Bolachas de chocolate NÃO.

PEQUENO-ALMOÇO: elas vão dizer que com a mãe comem pão de forma desse industrial, tipo Panrico. Não é verdade. Vão tentar enganar-te porque costumam fazer isso com as coisas que sabem que tu não sabes. Não acredites. Pão torrado com manteiga e um copo de leite morno. Não, os iogurtes líquidos não são um bom pequeno-almoço. São um S.O.S.. E não, comigo não costumam comer no carro. Comem em casa. Se te quiseres armar em intransigente e não as deixar ver desenhos animados enquanto estão à mesa, é contigo. Se quiseres não dar em doido, deixa-as as ver o Canal Panda.

Isto vai longo e tens de te despachar. Se me ligares em pânico antes de eu chegar ao Entroncamento porque não encontras o ferro de engomar (tens de o ligar à tomada para funcionar), já sei que vão viste isto. Se uma delas ainda estiver a dormir quando eu chegar a Coimbra-B, estás lixado com o teu chefe. Ah, última coisa: a partir de hoje, talvez fiques a saber finalmente a diferença entre «fazer» e «ajudar». Segundo o dicionário, «dar existência ou forma a…, criar, realizar» é o que eu faço. Todos os dias. «Dar ajuda a…, auxiliar, socorrer, cooperar» é o que tu fazes. Às vezes. Um beijo, até logo. Boa sorte.”

Texto de Paulo Farinha retirado daqui

Nota: Sem nenhuma razão de queixa aqui por casa, muito pelo contrário. Um texto engraçado e curioso onde quase todas as mães em uma ou ou parte se identificam e os pais se calhar também. Fez-me lembrar o episódio do Shin Chan “A mãe faz greve!” (não encontrei a versão portuguesa)

Citação

O Mundo sem óculos

“(…) Lembro-me de que, nessa altura, exercitava-me durante todo o dia para tentar conseguir não usar óculos. Os contornos das pessoas e das coisas perdiam a nitidez, tudo se tornava impreciso, vago, suave, os próprios sons se tornavam cada vez mais abafados. O mundo, quando eu o via sem óculos, deixava de ter aspereza, tornava-se tão suave e tão macio como o grande travesseiro em que pousava a cabeça, acabando por adormecer.
– Estás a sonhar com quê, Catherine? – perguntava o meu pai – Devias pôr os óculos.
Obedecia-lhe, e então voltava a sentir a aspereza e os contornos precisos do costume. Com os óculos via o mundo tal e qual ele é. Não podia continuar a sonhar.(…)”

“(…) Afinal, somos sempre os mesmos, e aquilo que fomos no passado permanece connosco até ao fim.”

in “A História de Catherine” de Patrick Modiano (Nobel da Literatura 2014)

Citação

Presépio

Ele é burro mas enfim, simpatizamos com ele. Ela é muito vaca mas… também nunca fez questão de o esconder. O ingénuo que adora a mulher e aceitará tudo para não a perder. A mulher com a humana capacidade de cometer um deslize e com o heróico dom de persuadir com uma história que acredita quem quer. Um puto a dormir que, aparentemente, não dá trabalho nenhum (e aqui sim… Graças a Deus!!! Uma coisa é criar um filho de outro homem, outra é o raio do fedelho ser um endiabrado de primeira).

Uma casa que, convenhamos, já precisava de umas obras… principalmente porque lhe falta uma parede e toda a gente vê o que se passa lá dentro. Palhas espalhadas porque chegamos tarde, de rastos, com a cabeça cheia de preocupações e sem a menor vontade de faxinar.

E para ajudar à festa, é nesse momento que resolvem aparecer visitas… logo três e sem uma garrafa de vinho ou uns chocolates.

O mais educado ainda traz ouro, o que sempre se pode “pôr no prego” em tempos de crise. Agora os outros dois, valha-nos Deus (outra vez o nome de quem provocou o pequeno “incidente” que está nas palhas deitado). Incenso e mirra!?? Uau… era mesmo isso que esta malta precisava.

Chamam-lhe presépio mas poderia chamar-se “aquele dia bem complicado em que tudo aconteceu…” ou em inglês “How I didn’ t met your father”.

Mas mais ou menos religiosos, existe algo com que todos nos identificamos perante um presépio. O caos. Nalgum momento da vida, já todos fomos um daqueles personagens. Não todos. Mas alguns. Nalgum momento da vida, a nossa família já foi tão moderna quanto aquela. E receber meias… por Deus (lá está novamente o “senhor que não se vê” mas que “está em todo o lado”… sendo que, olhando à volta, vê-se bem onde é que esteve), antes mirra. Com um copo a mais, até se fuma.

Ainda assim, estamos juntos. E só por isso, vale a pena.

Feliz Natal e divirtam-se no vosso presépio.

Um texto com muito espírito do Factos de Treino no Lifecooler